Como se validar: 6 dicas para autovalidação

A validação é uma parte importante da saúde mental e emocional.

É assim que chegamos a um acordo com os nossos aspectos não tão maravilhosos, encontramos compaixão por essas falhas e passamos a entendê-las.



Validação é buscar compreender e então aceitar o que sua mente e seu coração estão lhe dizendo, para o bem ou para o mal.



Isso não significa que você precisa aprovar ou concordar com o que está acontecendo internamente.

Às vezes, temos sentimentos que sabemos serem errados ou incorretos e discordamos veementemente deles, mas isso não muda o fato de que ainda os sentimos.



Em um relacionamento, a validação é essencial para demonstrar compreensão.

Ao oferecer aceitação e compreensão, oferecemos espaço para que cada um trabalhe nossas falhas e cresçamos juntos em algo mais significativo.

Isso é algo poderoso que pode ajudar você ou as pessoas que você ama a encontrar aceitação para si mesmo, o que proporciona liberdade e compreensão em um nível profundo.



É uma coisa desafiadora de se fazer.

Auto-validação é tão desafiador.

Auto-validação é quando você pode aceitar e compreender todas as peças móveis que o tornam quem você é, tanto bom quanto ruim.

E vamos encarar, todos nós temos aquele crítico interno que gosta de nos dizer que não somos bons o suficiente, que nossas emoções não são válidas, ou que somos de alguma forma indignos.

Também podemos ter pensamentos ou emoções que não são consistentes com a forma como vemos a vida, queremos pensar ou que são objetivamente falsos.

Ainda assim, não devemos nos julgar duramente por sentir e experimentar esses pensamentos e emoções.

Isso alimenta a frustração e a raiva, o que nos priva de nossa capacidade de usá-los como momentos de aprendizagem.

Quanto mais confortável você se sentir com esses aspectos imperfeitos de você mesmo, mais fácil será ficar calmo, controlado e encontrar o caminho certo.

Ele permite que você forneça um espaço melhor para si mesmo, para que possa fazer o trabalho interno necessário para crescer.

Como praticamos a autovalidação?

A Dra. Marsha Linehan, Professora de Psicologia e criadora da Psicologia Dialética do Comportamento, identificou seis níveis de validação de outro que aumenta em dificuldade na prática.

Esses níveis também podem ser aplicados para praticar a compaixão por si mesmo.

Mesmo que você só consiga praticar um desses níveis por algum tempo, deve ser capaz de criar mais espaço para você mesmo compreender e aceitar o que está vivenciando.

1. Esteja presente com suas emoções.

O ato de estar presente é focar na situação em questão.

Isso pode ser físico ou mental.

Estar fisicamente presente é ter sua atenção focada em qualquer atividade da qual você está participando ou testemunhando.

Você pode estar sentado assistindo ao pôr do sol, mas fica olhando para o telefone em vez de realmente assistir ao pôr do sol.

Estar presente seria deixar o telefone de lado e realmente assistir ao pôr do sol.

Em um nível emocional, estar presente consigo mesmo é reconhecer e sentir o que você precisa sentir quando está sentindo.

Isso significa que não entorpecemos, distraímos ou ignoramos o que estamos sentindo.

Damos permissão a nós mesmos para sentir nossos sentimentos e depois senti-los quando pudermos.

Este é um equilíbrio.

Há momentos em que nossos sentimentos são intrusivos ou podem ser distorcidos.

Também há momentos em que você pode estar cansado de sentir as emoções que você é. Eles podem não estar indo embora ou podem estar causando outras dificuldades em sua vida.

Você pode não ter a opção de sentir suas emoções naquele momento. Tudo bem também.

O importante é que você dê a si mesmo algum tempo para sentir e pensar em algum momento.

2. Reflita com precisão sobre a situação e as emoções.

Uma reflexão precisa é contemplar e identificar o que você está sentindo e os motivos.

A palavra-chave nessa frase é “precisa”.

Por preciso, queremos dizer factual e correto.

Não é bom se rebaixar como alguém menos do que porque você está experimentando emoções ou reações negativas a uma situação.

Em vez de pensar, “Estou triste porque meu encontro foi cancelado por minha conta. Ninguém quer ficar perto de mim. Ninguém gosta de mim.'

Você gostaria de pensar em algo como, “Estou triste porque meu encontro foi cancelado porque eu estava animado com ele.”

Uma reflexão precisa da situação deve incluir os sentimentos, o que causou as emoções e uma declaração factual de por que você está sentindo esses sentimentos.

Quanto mais você ficar longe da opinião, menos encontrará linguagem negativa ou crítica nesses pensamentos.

3. Faça um palpite, se não tiver certeza.

Acho!? Por que você adivinharia se não tem certeza?

Bem, é porque nem sempre temos uma ideia clara do que estamos sentindo ou por que o estamos sentindo.

Uma suposição fundamentada pode nos ajudar a pousar na área relativamente correta do problema e fornecer alguma orientação sobre como obter a validação do que pensamos e sentimos.

Existem diferentes maneiras de fazer essa suposição.

o que significa quando um cara olha para você

Você pode observar as sensações físicas que está experimentando.

Um nó no estômago pode indicar ansiedade ou medo. Um nó na garganta pode ajudar a indicar tristeza ou estar sobrecarregado.

Você também pode querer considerar o que outra pessoa na situação que você está enfrentando sentiria.

Não é para minar o que você pensa, mas para ter uma ideia melhor das possibilidades.

Que emoção isso faria outra pessoa sentir?

Você viu mais alguém nesta posição? Como eles pensariam ou sentiriam?

E então você pode usar isso como um roteiro para entender o que está sentindo.

4. Considere as circunstâncias passadas que podem estar contribuindo.

As experiências que vivemos deixam marcas duradouras em nossas mentes.

É perfeitamente razoável e aceitável ter uma resposta negativa e emoções a circunstâncias semelhantes às experiências anteriores nas quais fomos feridos.

Uma pessoa que foi mordida por um cachorro pode ficar com medo e desconfortável perto de cães quando adulto. Isso não é irracional.

Ao tentar validar suas emoções, pode ser útil olhar para as circunstâncias passadas para entender melhor por que você está se sentindo assim.

Pode ser uma ferida que não cicatrizou totalmente ou que deixou uma marca duradoura.

Isso não significa que você precisa se concentrar nessa experiência negativa do passado e se condenar a sofrer por ela todas as outras vezes que a tiver.

Não, a questão é ver de onde vêm essas emoções para que você possa aceitá-las, validá-las e deixá-las passar.

Quanto mais você fizer isso, mais fácil será aceitá-los e entendê-los até que não o incomode muito.

5. Normalize suas emoções, permitindo-se sentir todas elas.

A cultura e a atmosfera de autoajuda buscam promover o pensamento positivo e a felicidade, o que é lamentável porque a vida não é apenas felicidade.

É normal ter sentimentos negativos fortes, especialmente quando você está lidando com algumas coisas negativas em sua vida.

É razoável sentir-se triste com uma separação, com raiva por não conseguir um emprego ou promoção ou com medo de um futuro incerto.

Pessoas com menos inteligência emocional podem atribuir essas coisas a serem moles ou fracas, mas não são.

São emoções justas e razoáveis ​​para experimentar em uma situação negativa.

Você não precisa estar sempre feliz, sempre olhar para o lado bom ou tentar encontrar o forro de prata em cada nuvem cinza.

Às vezes, você precisa sentir esses sentimentos negativos para aceitá-los e deixá-los passar.

O importante é não morar e morar lá.

6. Pratique a genuinidade radical consigo mesmo.

O que significa ser radicalmente genuíno?

É aceitar a si mesmo por quem você é, com verrugas e tudo.

Todo mundo tem algumas coisas feias sobre si mesmo que talvez não goste ou queira aceitar.

Talvez tenhamos feito as escolhas erradas na vida, fomos guiados na direção errada ou não somos uma pessoa muito boa.

Todas essas são coisas que podemos mudar se nos atrevermos a admitir que não somos tão perfeitos e aceitar que somos capazes dessas coisas negativas.

Mas também devemos aceitar que temos o poder e a capacidade de mudar essas coisas negativas que não necessariamente gostamos em nós mesmos.

Você não é suas ações negativas. Ninguém é.

Às vezes, as pessoas simplesmente tomam decisões ruins. Todo mundo faz.

Lembre-se disso quando descobrir que está morando ou tentando evitar essas coisas.

Você pode gostar: